20
03-2018

Jean François Rauzier ganha mostra no Centro Cultural São Paulo

  • Rauzier trabalhou a composição da arte dos grafites nos prédios do Centro de São Paulo
  • Fusão de imagens da Escadaria do Patapio, no bairro da Vila Madalena, próxima ao Beco do Batman
  • Na obra Babel, Rauzier "empilhou" vários tipos de construções da capital paulista
  • Sobreposição do Cristo Redentor sob uma das muitas favelas do Rio de Janeiro
  • Fusão entre o casario antigo de Salvador, incluindo pontos turísticos como o Pelourinho
  • Em outra de suas composições, Rauzier lembra que São Paulo vive a beira de rios, principalmente o Tietê, o Tamanduateí e Pinheiros

Com um trabalho artístico que mescla fotografia e manipulação digital, o fotógrafo francês Jean François Rauzier reúne cerca de 100 imagens na mostra Hiperfoto – Brasil, no Centro Cultural São Paulo (CCSP), na capital paulista. Frustrado com as limitações técnicas que a fotografia pode trazer, Rauzier encontrou na digitalização um universo de possibilidades para a criatividade. Ele chega a fazer até dez mil cliques em apenas um dia para compor uma imagem e viaja em busca das particularidades da vida ao seu redor.

Nos últimos quatro anos, o Rauzier tornou o Brasil em seu protagonista, registrando cidades como Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), Brasília (DF) e São Paulo (SP). Após fotografar, o artista dá início a um exaustivo processo de colagens, combinando as imagens umas às outras e criando novas obras a partir das antigas. Essa técnica foi batizada como hiperfotografia, em referência ao termo hiper-realismo, em que a realidade humana é constituída pela articulação do real, do simbólico e do imaginário.

A mostra traz ainda um conjunto de hipervídeos que, em formato audiovisual, tentam trazer o mesmo efeito das fotografias, com inúmeros fragmentos do cotidiano de São Paulo, mostrando ao espectador a vitalidade daquela que é tida como a mais influente cidade da América Latina. A exposição fica em cartaz até 6 de maio de 2018, no CCSP, na Rua Vergueiro, 1.000 – Liberdade. A entrada é gratuita e a mostra pode ser vista de terça a sexta, das 10h às 20h, e aos sábados e domingos, das 10h às 18h.

0

 likes / 0 Comments
Compartilhe: